A quarta noite não dormida

21/07/2011 02:42

    

    Olhares, tudo começou com olhares. Duas atmosferas diferentes. Dois seres, dois corpos, dois homens.

    Língua, acrescenta-se uma letra, a décima nona do alfabeto, logo viram muitas, algumas línguaS. Suor, cheiros, toques. A pele da costa da tua mão na ponta do dedo dele toca, entoca. Logo as palmas se ligam, os dedos se entrelaçam. Choque, soltam-se. As mãos soltam-se.

    Parados, alí, os dois no mesmo lugar. Isso não seria/foi possível dias atrás. Talvez não fosse possível nem naquela própria noite, mas era necessário que fosse e então foi. Algo precisava ser dito, ou simplesmente mostrado.

    As lentes do óculos do que estava do lado de cá embaçavam-se constantemente, como se tentasse esconder algo que precisava ser visto naquele exato momento.

    Enquanto não conseguia ver o que havia a sua frente, ele sentia medo. Mas quando enfim, conseguiu enxergar o que havia alí, o que sentiu não era mais medo, era uma mistura doce de pavor e descoberta. Como se estivesse na frente de um espelho. Conseguia ver o seu próprio reflexo, com todos os seus medos, desejos, sensações e liberdade. Aquilo lhe assustava, mas ao mesmo tempo o puxava para mais perto, onde poderia ver melhor as nuances da linha tênue que dividia o EU do ELE. E quando, no segundo exato que decidiu adentrar a zona atmosférica de tudo aquilo, que agora o envolvia, ele acordou e se perguntou: O que sou?

.

Enquete

Você acha que o artista tem o poder de mudar o mundo com a artes que faz?

Sim (63)
Não (2)

Total de votos: 65

Contato

Caled Garcês Twitter: @CaledGarces
Facebook: facebook.com/Caled.Garces

caled_garces@hotmail.com